domingo, 11 de dezembro de 2011

Site Mapa do Brincar ganha nova versão com 750 brincadeiras

Ilustração Ana Cunha
Transformar folhas de árvores em pipas, pular amarelinha chutando chinelo, bater palmas em francês.
A equipe de "Folhinha" registrou 750 brincadeiras na nova edição do site Mapa do Brincar (www.mapadobrincar.com.br ).
O caderno percorreu 30 cidades brasileiras das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste a fim de descobrir como as crianças brincam.


Na primeira edição, de 2009, que recebeu o Grande Prêmio Ayrton Senna de jornalismo, eram 550, a maioria do Sul e Sudeste.
Além de mais brincadeiras, o site está com cara nova, sistema de busca e entrevistas com educadores.
A equipe da "Folhinha" chegou às fronteiras brasileiras com a Bolívia, o Peru, a Argentina, o Uruguai e a Guiana Francesa.
No caminho, uma descoberta: há mais semelhanças do que diferenças entre a forma de brincar nas mais distantes regiões. É como se as crianças não ligassem para as divisões geográficas.
No Acre, por exemplo, as bolinhas de gude são chamadas de peteca e fazem tanto sucesso quanto na praça da cidadezinha peruana de Iñapari, onde são conhecidas como "bolitas".
As petecas são jogadas em círculos riscados no chão, enquanto a batalha das "bolitas" acontece no desenho de uma folha de árvore.
Em qualquer lugar, a infância é o tempo da (re)invenção, principalmente quando o assunto é brincar.
E, apesar da grande oferta da indústria de brinquedos, o site mostra que também dá para brincar com o próprio corpo, que vira uma "flecha" em um mergulho, a natureza e a imaginação.
Veja o que especialistas dizem sobre o site e o brincar.
"Brincar é uma forma de linguagem. O Mapa do Brincar é importante porque estimula que a criança brinque construindo coisas, interagindo com os outros. O adulto precisa abrir espaço para a criança expressar sua emoção brincando."
Lelia Tardivo, psicóloga e professora do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo)
"Acho fundamental o Mapa do Brincar; ele resgata brincadeiras atemporais. Na onda do Beyblade, por exemplo, as crianças querem o pião fabricado, esquecem que podem fazer um."
Rosely Sayão, psicóloga e colunista da Folha de S.Paulo
 Dica da colega Sara

4 comentários:

  1. Espero que tudo esteja bem com você! Que bom que você voltou!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este ano não postamos nada...fiquei doente de novo, agora estou melhorando bastante. Acho que em julho retomarei as atividades na escola e no blog.

      bjs

      Excluir
  2. Que legal rsrs estou te seguindo, da uma olhadinha no meu blog ok ?!
    http://grandeigualdavi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir